cidadão zangado

Foto em destaque: ativista feminina | © Shutterstock

Alguns pensam que um cidadão raivoso é a pura contrapartida do cidadão corajoso, que você sempre encontra em tempos difíceis e que, apesar ou talvez por causa da situação opressiva prevalecente no local, se manifesta e exige seus próprios direitos civis.

Como bons exemplos, o Cidadão mútuo da China – e aqui em particular Hong Kong – ou a Federação Russa, que são assassinados pelo Estado por suas ações, ou pelo menos presos, estuprados ou torturados.

Cidadãos irados, por outro lado, são mais propensos a serem encontrados em nossas sociedades abertas, onde eles podem expressar em voz alta sua indignação percebida ou real em todos os lugares concebíveis e também estão fazendo uso desse direito com cada vez mais frequência.

O erro aqui é ver esses cidadãos raivosos como a contrapartida do cidadão corajoso, pois a contrapartida do cidadão corajoso é na verdade o “cidadão que não se importa”, justamente aquele cidadão que não se importa com nada desde que de alguma forma atende às suas necessidades básicas (processador primário) ou, se possível, pode maximizar seus próprios lucros sem ser perturbado (vencedores da crise); assim como a indiferença, não o ódio, é o oposto do amor.

Então, o que define o cidadão irado?

Um cidadão revoltado é um cidadão que, em primeiro lugar, se preocupa com “seu estado” e, em segundo lugar, não está nada satisfeito com a situação atual do país. E, em terceiro lugar, a impotência de que ele não acredita mais em conseguir mudanças nos caminhos democráticos que percorreu até agora, e alguns deles são muito bem trilhados.

O que é realmente ruim nisso é que os problemas que afetam a sociedade como um todo em nosso país agora se tornaram tão grandes, diversificados e extensos que os cidadãos como um todo dificilmente acreditam que podem trazer uma mudança positiva - a queda contínua do número de eleitores pode ser visto como uma indicação dessa vontade.

Pior ainda é que a "maioria silenciosa" dos cidadãos nasce como "cidadão-igual" e continua aferrando-se à crença equivocada de que será suficiente, pelo menos para eles. O declínio da adesão de todos os partidos políticos e as garantias semelhantes a rodas de oração de que as pensões são seguras são duas indicações disso.

Mas o pior é que embora os parlamentos e as administrações estejam agora a rebentar pelas costuras e se criem cada vez mais instituições estatais, semi-estatais e dependentes do Estado, que estão a tornar uma relação percentual "saudável" entre o aparelho do Estado e os cidadãos cada vez mais para o mal - o que acaba por prejudicar todos os cidadãos incapacitados e por outro lado não tem preço – Os problemas existentes e futuros na sociedade como um todo não são abordados nem procurados soluções viáveis.

Exatamente essa falta de viabilidade futura e a aparente falta de vontade dos que atuam atualmente em sequer pensar em soluções – que, aliás, os políticos do governo sempre se comprazem em vender (“Soluções para problemas conhecidos só são buscadas quando especificamente demandado pelo Bild jornal por semanas. ’), levando os cidadãos interessados ​​ao desespero. Mesmo que eu esteja convencido de que não é falta de vontade, mas apenas pura incompetência por parte dos responsáveis, isso não altera os efeitos.

E mesmo que um cidadão tente provocar mudanças “marchando pelas instâncias” – melhor: “através dos partidos”, ele rapidamente tem que perceber que ele sozinho não tem chance de contribuir com seu conhecimento e experiência, porque em princípio isso não é solicitado, nem relevante para as partes de qualquer forma; eles agora estão lidando consigo mesmos e com os regulamentos e tradições que criaram – um mundo próprio que perdeu toda conexão com a realidade.

Para a segunda alternativa, uma "marcha pelas administrações e aparatos", a intenção e a tentativa geralmente chegam tarde demais para conseguir alguma coisa, porque a burocracia vem se recrutando há muito tempo. seus dois credos "uma administração nunca pode ser grande o suficiente, e o cidadão está lá para a administração", um é persona non grata ali.

A terceira alternativa, ou seja, fundar o próprio partido ou mesmo um movimento, não é apenas muito, muito demorada e trabalhosa, mas pelo menos vista com desconfiança por todos os lados. E aqui também, se você seguir esse caminho, então em uma idade muito jovem e com um alto nível de auto-sacrifício.

Assim, geralmente resta apenas a quarta alternativa, a ocupação do espaço público (virtual e real), onde nas sociedades abertas isso também está ali para todos e, portanto, ocupá-lo é mais difícil do que o esperado.

É agora esta ocupação do espaço público que muitos cidadãos revoltados fizeram a sua tarefa. E com bastante verve, força e perseverança, eles também serão capazes de se tornar efetivos em uma sociedade aberta e provocar mudanças.

No entanto, deve ficar claro para todos os cidadãos irritados que esse caminho é pelo menos tão difícil e pedregoso quanto as outras alternativas. Uma vez que, ao contrário dos partidos e instituições estabelecidos, o espaço público não tem regras próprias, estas devem ser criadas pelo menos de forma rudimentar para, em última análise, poder gerar e transmitir a opinião pública. Para piorar, esse espaço público é compartilhado com todas as outras criaturas, sejam elas usando chapéus de alumínio ou anunciando o crepúsculo dos deuses, e os processos de conversas, discussões, coordenação e documentação que são absolutamente necessários aqui entre as pessoas levam muito mais tempo do que habitual.

Em última análise, porém, vale a pena todo o esforço, pois pode abalar alguns dos "não importa-cidadãos", mas certamente obrigará os partidos e instituições a agirem por conta própria a médio e longo prazo, para não cair ainda mais na insignificância.

E é justamente essa coragem de lidar com os conflitos sociais internos que, na minha opinião, caracteriza o cidadão revoltado, e caso a maioria dos cidadãos revoltados valorizem a liberdade e a democracia per se, fará com que nossa sociedade volte a se movimentar, tanto agora como no futuro Reconhece os problemas e procura soluções viáveis ​​em conjunto.

Seria maravilhoso se pudéssemos viver tudo isso com base em nossa ordem básica democrática livre existente, porque isso nos poupa da questão existencial de se também seríamos cidadãos corajosos quando se tratasse disso!


Desde o 2º Hertenstein Talks em 2018, também tentamos nos aproximar do “fenômeno” dos cidadãos raivosos e entender melhor sua origem, significado e propósito. Começamos com uma primeira rodada de palestras sobre o tema “As pessoas, suas necessidades e medos como força motriz e limite da política” e continuamos esse tema em 2019. Este ano abordaremos o tema sob o título "A Europa como projeto – o que isso significa para os europeus de hoje?' Olhe para isso de uma perspectiva diferente.


"La politique est la science de la liberté: le governamental de l'homme par l'homme, sous quelque nom qu' il se déguise, est oppression; la plus haute perfecttion de la society se trouve dans l'union de l'ordre et de l'anarchie. "

 Pierre Joseph Proudhon, Qu'est-ce que la proprieté? (1840: 346)

Postar um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com * marcado