Escrevendo em pergaminho

trecho de poema

Postar foto: escrevendo em pergaminho | © Gaby Stein no Pixabay 

Walter Scott entre 1802 e 1804 escreveu o poema "O Leigo do Último Menestrel“, em que aborda a situação fronteiriça entre a Escócia e a Inglaterra.

Para chamar a atenção para este poema um pouco mais longo, estou apenas repetindo minha passagem favorita da 1ª parte da sexta de um total de seis cantos que compõem este poema.


Respira ali o homem, com alma tão morta,
Quem nunca disse a si mesmo,
Esta é minha, minha terra natal!
Cujo coração nunca dentro dele queimou,
Como casa seus passos ele voltou,
De vagar em uma costa estrangeira!
Se tal respirar, vá, marque-o bem;
Para ele, nenhum êxtase de menestrel aumenta;
Apesar de seu título, orgulhoso de seu nome,
Ilimitada sua riqueza como desejo pode reivindicar;
Apesar desses títulos, poder e fortuna,
O miserável, concentrado todo em si mesmo,
Vivendo, perderá o renome justo,
E, duplamente morrendo, cairá
Para o pó vil, de onde ele surgiu,
Não chorou, não honrado, e não cantado.


E se agora você estiver interessado no poema inteiro, você o encontrará bem aqui.

O fato de que os poemas podem ser muito longos é bem conhecido por aqueles que são um pouco mais velhos sino de Schiller ainda tinha que aprender de cor na escola, já conhecido.

Mas existem alternativas. Por isso estou colocando um poema aqui no final Matsuo Basho do ano de 1686 antes:

Furu eu gosto de você 
kawazu tobikomu 
mizu não oto

Traduzido para o alemão, lê-se algo assim:

Lagoa Velha
Um sapo pula
respingo.


"No princípio o Universo foi criado. Isso deixou muitas pessoas muito zangadas e foi amplamente considerada uma má jogada".

Douglas Adams, O Guia do Mochileiro das Galáxias

Postar um comentário

Seu endereço de email não será publicado.