Considerações sobre a política de armamentos

Postar foto: Armadura | © Alina Kuptsova no Pixabay 

Minha premissa é que a política de armamentos serve para se defender.

Pelo menos desde os fenícios, os fundamentos da política de armamento são geralmente conhecidos. Estas bases consistem em duas necessidades imperiosas, por um lado, a utilidade militar e, por outro, a viabilidade económica. Ambos devem se harmonizar e, em última análise, determinar a própria assertividade político-militar de cada um.

Armas, equipamentos e equipamentos não devem ser apenas da melhor qualidade possível, mas também na quantidade necessária e, além disso, devem poder ser mantidos e substituídos a qualquer momento. Para seu próprio sucesso, é imperativo notar que você sempre pode produzir mais armas, dispositivos e equipamentos do que um possível oponente pode destruir.

Tanto a qualidade quanto a quantidade estão sempre sujeitas à viabilidade econômica.

As pedras angulares da política de armamentos são assim denominadas; O armamento deve ser militarmente sensato e economicamente acessível. Eficiência e sustentabilidade são as palavras-chave aqui.

Gostaria de ilustrar isso com cinco exemplos: porta-aviões, submarinos, aviões, helicópteros e tanques.

Um porta-aviões moderno (EUA) custa uns bons 10 bilhões de euros cada e tem que ser mantido por mais de 30 anos. Também pode-se supor que pelo menos 10 deles devem estar presentes para garantir a presença e a substituição.

A complexidade, o tempo de produção e os custos de manutenção de um porta-aviões são exemplos de como tal projeto de armamento só pode ser economicamente garantido por seu próprio ciclo de produção e manutenção; Isso significa que são necessários estaleiros especiais, que garantem nada mais do que a produção e manutenção de porta-aviões por décadas. Isso, por sua vez, exige um número suficiente de porta-aviões para organizar esse ciclo de maneira economicamente justificável.

Em termos de política de armamentos, seria completamente absurdo querer construir apenas um ou dois porta-aviões. Faz mais sentido reduzir a produção e manutenção de porta-aviões ao mais alto denominador comum, se possível; A OTAN seria um bom ponto de referência aqui.

Os submarinos são muito mais baratos de produzir e manter. Por outro lado, as quantidades que são justificáveis ​​em termos de política de armamento já são centenas, e estas também devem ser mantidas e substituídas por décadas. Aqui também faz sentido alcançar o máximo de padronização possível e usar as instalações de produção correspondentes exclusivamente para seu próprio ciclo de produção e manutenção.[1]

Do ponto de vista militar, aviões, helicópteros e tanques são clássicos "bens de consumo a granel" e, portanto, devem ser produzidos e reparados nas maiores quantidades possíveis para poder atender às necessidades militares e econômicas. É por isso que certamente se pode falar de números de produção aqui, cada um na casa dos milhares. E aqui também faria sentido organizar um ciclo de produção e reparo e otimizá-lo para atender às suas próprias necessidades.

Na minha opinião, os cinco exemplos listados acima podem ser estendidos a todas as armas, todos os equipamentos e todos os equipamentos e sugerem claramente que a política de armamentos - pelo menos em essência - sempre envolve o desenvolvimento, produção, manutenção e descarte de armas, dispositivos e equipamento é o que deve ser reunido ao mais alto nível comum possível, uma vez que não só faz sentido económico, mas também do ponto de vista da política de segurança.

A defesa é sempre uma grande despesa. As tentativas de minimizar esses custos, superando uma política de armamentos viável através de "soluções individuais", "dividendos de paz" ou mesmo "comércio de armas" sempre falham em geral e especialmente nos períodos de política de armamento responsável e também põem em risco a própria segurança.

-------

[1] Construir um submarino a cada poucos anos e isso para todos os clientes que querem comprar um não é política de armamentos.


"Religiões hipócritas e armas antigas não são páreo para um bom blaster ao seu lado, garoto."

Harrison Ford como Han Solo em Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança (1977)

Postar um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com * marcado