gratidão

Postar foto: bandeira dos EUA | © Pixabay

E mais uma vez temos que reconhecer - o que a maioria dos alemães certamente não fará novamente - que nós europeus e especialmente nós alemães estaríamos há muito tempo nos braços do comunismo soviético, não importa qual seja a forma atual, sem os americanos.

Nossos amigos americanos fizeram sua lição de casa nos últimos dias e estão transferindo suas tropas para a Europa com grandes despesas. Incluindo aqueles a quem recentemente prometeram que poderão se recuperar um dia.

O presidente dos EUA Joe Biden Ao fazê-lo, ele não apenas cumpre suas obrigações contratuais, mas também compensa as deficiências e as óbvias quebras de contrato por nós, alemães, com seus fundos orçamentários e com a ajuda de seus compatriotas americanos.

E o que nosso governo e parlamentares estão fazendo nesta situação difícil e perigosa? Estão a debater como o Bundeswehr pode aliviar ainda mais as nossas administrações e quem pode enriquecer desta vez com o orçamento militar, que agora se pretende aumentar; uma boa chance para os políticos da União recentemente eleitos para obter honeypots novamente.

É difícil imaginar que um chanceler alemão daria aos nossos parceiros de aliança um apoio tão maciço. Suspeito que ele nunca sairia vivo do Bundestag.

E se os americanos notarem essa barganha européia, que mais uma vez está sendo realizada às suas próprias custas, não deveria ser uma surpresa se um novo presidente dos EUA em breve se despedir da OTAN e da Europa para sempre.

O que nós cidadãos podemos fazer? Pelo menos devemos mostrar nossa gratidão aos soldados dos EUA que em breve serão encontrados por toda a Europa novamente.

E talvez não fosse má ideia nas próximas eleições votar em actores ou outros cidadãos que, para além da política, também têm as suas próprias vidas e, sobretudo, as conhecem.


"RESPONSABILITY, n. Um fardo destacável facilmente transferido para os ombros de Deus, Destino, Fortuna, Sorte ou do próximo. Nos dias da astrologia, era costume descarregá-lo em uma estrela."

Ambrose Bierce, Dicionário do Diabo (2020 [1911])