Sarah Bakewell|Bruce H. Lipton|Timothy Snyder 

Postar foto: menina lendo | Estante | S. Hermann & F. Richter | © Pixabay 

Hoje gostaria de recomendar quatro livros que li recentemente. Dois deles são de Timothy Snyder, que atualmente pode ser encontrado em todos os meios de comunicação devido à guerra na Ucrânia. O livro de Bruce H Lypton fui eu de Javier Giner colocar no coração e o de Sarah Bakewell Recebi de presente em uma tradução alemã.

The Road to Unfreedom : Rússia > Europa > América (2018)

Já 2018 tem Timothy Snyder publicou este livro fascinante. A única coisa que me incomoda neste livro é que não o li em 2018. As 284 páginas de brochura, sem as notas finais, são lidas com muita fluência, com Snyder desmascarando o sistema Putin de uma forma muito compreensível e listando aqueles que o tornaram possível e aqueles que lucraram com muita clareza, às vezes até pelo nome.

Ele nomeia alguns dos crimes conhecidos de Vladimir Putin, incluindo a derrubada do MH17, desmascara alguns dos mitos, principalmente de políticos totalitários na Europa, como a ameaça da OTAN à Rússia, e também detalha os contatos entre os oligarcas russos e Donald Trump. Ele nos adverte muito claramente sobre as consequências se não começarmos a acordar e defender nossos valores. Caso contrário, o mundo livre poderia muito rapidamente ser uma coisa do passado.

Meu termo favorito definitivo no livro é “sado-populista” (2018: 274)

"[Nós] criamos uma geração milenar sem história." (2018: 7)

"Nas Guerras do Peloponeso, Tucídides definiu 'oligarquia' como governo de poucos e se opôs à 'democracia'." (2018: 11)

"Entendemos que ser indivíduo requer uma consideração constante de uma factualidade sem fim, uma seleção constante entre muitas paixões irredutíveis?" (2018: 35)

"A extrema direita e a esquerda devem ser desenhadas juntas como um ícone bicéfalo." (2018: 58)

"O Brexit foi um grande triunfo para a política externa russa e um sinal de que uma campanha cibernética dirigida de Moscou poderia mudar a realidade." (2018: 106)

"Nações são coisas velhas que remetem a coisas velhas." (2018: 112)

"Onde há repórteres locais, o jornalismo diz respeito a eventos que as pessoas veem e com os quais se importam. Quando os repórteres locais desaparecem, a notícia se torna abstrata. Torna-se uma espécie de entretenimento em vez de um relato sobre o familiar.” (2018: 247)

"A oligarquia funciona como um sistema de clientelismo que dissolve a democracia, a lei e o patriotismo." (2018: 264)

"A política é internacional, mas a reparação deve ser local." (2018: 277)

"A comunicação entre os cidadãos depende da igualdade." (2018: 281)

Minha recomendação: Compre o livro aqui. (Alemão | Amazon)

Sobre a tirania: vinte lições do século XX (2017)

Este livro de Timothy Snyder é uma leitura obrigatória para todos os democratas em ambos os lados do Atlântico. O livro tem tamanho DinA5 e 126 páginas, então pode ser lido muito rapidamente - mas digerido com menos rapidez!

Incrível o que Timothy Snyder já em 2017 — sobre a causa Donald Trump além - tão claramente formulado, especialmente hoje na situação atual! Se tivéssemos levado a sério seus comentários, mesmo que parcialmente, isso nos teria poupado muito.

"Qualquer eleição pode ser a última, ou pelo menos a última na vida da pessoa que vota." (2017: 29)

"A vida é política, não porque o mundo se importa com o que você sente, mas porque o mundo reage ao que você faz." (2017: 33)

“A ética profissional deve nos guiar precisamente quando nos dizem que a situação é excepcional.” (2017: 41)

"Assuma a responsabilidade pelo que você comunica com os outros." (2017: 72)

“O perigo que agora enfrentamos é de uma passagem da política da inevitabilidade para a política da eternidade...” (2017: 124)

Minha recomendação: leia o livro por todos os meios. Compre bem aqui … (Amazon)

Como um pequeno bônus, você pode encontrar uma entrevista com ele aqui Timothy Snyder sobre uma política de eternidade, uma de inevitabilidade e por que somos jogadores em uma democracia - mas não árbitros: "Sempre há opções(Políticas internacionais)

The Biology of Belief 10th Anniversary Edition: Liberando o Poder da Consciência, Matéria e Milagres (2015)

Javier Giner me pegou no livro por dr Bruce Lipton chamou a atenção, que já havia lido em 2005. Javier disse que vai mudar minha vida, pelo menos do jeito que eu vejo.

Este livro resume as experiências e insights de Lipton, que ele coletou durante seus muitos anos de pesquisa e ensino como médico. Ele floresceu de um pesquisador tradicional, provavelmente também por causa de sua própria biografia, para um proponente de métodos alternativos de tratamento. Ele está firmemente convencido de que as influências ambientais desempenham um papel muito maior do que se supunha anteriormente e acredita que através do pensamento positivo e de uma vida conduzida de forma correspondente (!) pode-se "reprogramar" o corpo para melhor.

Ele se junta, assim, a uma longa linha de espíritos tradicionais e modernos, dos quais os homeopatas não podem me convencer de forma alguma, mesmo que eu não queira negar o efeito do efeito placebo.

Bruce LiptonOs argumentos de S são, no entanto, bastante compreensíveis e dificilmente podem ser negados sem o seu próprio conhecimento especializado. E assim mantém Javier Giner certo, o livro mudou minha perspectiva, pelo menos sobre medicina alternativa, e reafirmou minha crença em ouvir meu próprio corpo novamente e tentar mudar minha própria vida através do pensamento positivo.

O Café dos Existencialistas (2015)

Quando li uma primeira resenha do livro “No Café Existencialista"de Sarah Bakewell Comprei-o, apenas para largá-lo novamente depois de uma primeira tentativa de leitura, porque me perdi muito rapidamente nos filósofos a quem Bakewell se dirigiu e em suas obras. 

Em 2020 recebi o livro em tradução alemã da Rita Seuss de presente, o que certamente facilitou um pouco a leitura para mim, mas me perdi de novo e dessa vez fiquei igual Jean-Paul Sartre pendurar. Mas antes de olhar para “O Segundo Sexo”, de Simone de Beauvoir comprei, me atrevi a recomeçar a ler, com a intenção de ler o livro na íntegra antes que me atolasse novamente.

Sarah BakewellA própria conclusão da autora é "As ideias são excitantes, mas as pessoas que as expressam são ainda mais." (2018: 369) fenomenologia e existencialismo, muito divertido e vale a pena ler - se você se envolver e não ficar atolado de novo e de novo.

O que eu gosto particularmente no livro é que ele se baseia em alguns dos romances e filmes que eu também valorizo ​​e os conecta com o existencialismo de uma maneira que eu possa entender. 

Em suma, o livro desperta curiosidade e contribuiu para que eu voltasse a colocar um ou outro presunto mais velho na minha pilha de livros para ser lido novamente. Em particular, no entanto, ela me interessou em ler Simone de Beauvoir feito curioso. Vou guardar para mim sua biografia em quatro volumes, mas definitivamente lerei sua obra principal pelo menos uma vez.