Redes sociais

Postar foto: Mídias Sociais | © Shutterstock

Depois de todos esses anos, é muito difícil para mim ver algo positivo nas mídias sociais. E a discussão atual sobre Twitter ou a guerra religiosa com o suposto concorrente Mastodon mostra claramente o problema real das mídias sociais.

Por motivos profissionais e porque um dos meus muito bons conhecidos foi pelo menos um dos inventores das chamadas redes sociais, era inevitável que eu lidasse com isso desde o início e também tentasse usar novas ofertas que foram surgindo para mim de novo e de novo.

Mas também me deparei imediatamente com o problema central das mídias sociais e tentei resolvê-lo de forma muito pragmática, ou seja, criando meu próprio produto de mídia social (mais recentemente sob o domínio worldcitizenship.com) antes do Facebook e Co. ainda sou o mestre do meu próprio conteúdo. No entanto, isso obviamente não resolveu esse problema central para os outros usuários e, portanto, minha start-up ficou presa muito cedo em sua infância - e, surpreendentemente para mim, logo foi ultrapassada pela agora conhecida mídia social.

Isso foi tão surpreendente para mim porque os outros provedores tiveram o mesmo problema e também não o resolveram. E também trouxe duas outras coisas feias em jogo, a saber, o comércio de dados pessoais e a importação intrusiva de publicidade.

E, portanto, só posso supor que os fundadores desses canais de mídia social conseguiram distrair as pessoas desse problema central ou até vendê-lo como uma vantagem. Mas uma coisa é certa, e pude observar isso ao longo dos anos, que o sucesso de todas as mídias sociais depende primeiro de conseguir gerar uma massa crítica de usuários e depois fazer com que todos acreditem que há cada vez mais novos usuários. Assim que um produto ameaça cair abaixo dessa massa crítica novamente, o final desse produto é selado - existem vários exemplos disso.

E assim é a grande arte das mídias sociais convencer os usuários de que “os outros também estão fazendo isso” e assim que “os outros também estão fazendo isso” a maioria das pessoas não dá a mínima para o que estão fazendo, e também não se importe, há muitos exemplos muito ruins aqui, mesmo na vida real, como os pogroms provam uma e outra vez.

Enquanto isso, surge outro problema, ou seja, que idealistas ou mesmo filantropos não podem administrar uma rede que conecte bilhões de pessoas. Os voluntários ficariam sobrecarregados apenas com isso (veja, por exemplo, Wikipedia) e milhares de funcionários simplesmente querem ser pagos. Esse problema é agravado pelo fato de que a grande maioria dos usuários de mídia social é mesquinha demais para pagar por esse serviço; isso começa com os provedores de e-mail e recentemente levou a discussões realmente bizarras no Twitter.

Isso deixa os operadores dessas redes sem escolha a não ser ganhar dinheiro com publicidade ou negociação de dados pessoais. E quem hesitar em fazê-lo terá prejuízo (Twitter). Se você realmente quer ganhar dinheiro (Facebook), precisa descer ao abismo humano – porque os usuários de mídia social o forçam a fazê-lo!

Eu vejo três soluções possíveis aqui. Vamos começar com a solução absurda, que curiosamente também é propagada por políticos profissionais "democráticos". O meio social estatal, de uma forma um pouco menos severa o meio social ÖRR, que então não quer ganhar dinheiro conosco humanos, mas quer controlar ou mesmo dominar nós humanos! O mais engraçado dessa solução é que, gostemos ou não, ela realmente tiraria o dinheiro do nosso bolso.

A segunda solução seria o Estado estabelecer um valor mínimo para o uso das mídias sociais, que todos os provedores devem exigir dos usuários de seus produtos de mídia social. Porque nós cidadãos simplesmente não somos mais capazes de reconhecer que serviços e produtos custam dinheiro (nossos jornais podem cantar uma canção sobre isso!). E como a mídia social teria, assim, uma base financeira, o comércio de dados pessoais deve ser expressamente proibido. As respectivas mídias sociais continuam a competir por usuários e as mais bem-sucedidas podem gerar renda adicional, por ex. B. por meio de publicidade ou complementos pagos. O charme disso é que ainda cabe ao usuário decidir qual produto usar, e produtos "ruins", como o meu, também desaparecem do mercado.

A terceira via, que agora é mais conhecida sob o termo Fediverse, torna o usuário o dono de seus dados quando não está postando no Mastodon, e torna a Internet o que era desde o início, ou seja, uma rede federal. E essas estruturas menores são mais propensas a serem administradas por voluntários que não precisam necessariamente ganhar a vida com elas. Como a coisa toda está ficando um pouco mais complicada, talvez ainda mais extenuante, a maioria de nós provavelmente não a leva conosco. Pior ainda, os lemingues entre nós perdem a noção de quem perseguir hoje em dia e enlouquecem quando essas mudanças acontecem com muita frequência.

E assim, mais cedo ou mais tarde, pelo menos essas três soluções existirão lado a lado, mas isso não resolve o problema básico, ou seja, como manter o controle dos meus próprios dados?

Estou, portanto, escrevendo aqui no meu weblog e estou disposto a vincular este weblog a outros weblogs e sites. Também continuo a usar as redes sociais e comecei para coletar meus produtos lá e também me esforço para registrar minhas declarações lá no meu próprio pedaço de papel para uso posterior, porque se você postar nas redes sociais assim, você também pode falar com a parede imediatamente.

Como alguns devem saber agora, sua fama no Twitter terminou com o Twitter, e antes mesmo de eles se acabarem. Jules Vernes ou Niklas LuhmannAs caixas de notas ainda estão vivas hoje.