Teatro Heilbronn

Foto: Schäffler, recorte de jornal do Heilbronner Voice (08.09.1979/XNUMX/XNUMX)

Minha própria carreira no teatro foi muito administrável, começou e terminou ao mesmo tempo com Otelo em 1979. Naquela época, o teatro ainda estava sendo tocado na casa do sindicato, já que um novo prédio na Berliner Platz estava para chegar.

A vantagem para nós, crianças e jovens da época, era que desde a explosão do antigo teatro em 18 de julho de 1970 até o início do novo prédio no final de 1979, tínhamos toda a Berliner Platz com suas duas fontes a nós mesmos.

Para nós, jovens, a demolição do Teatro Velho e a demolição de Mercúrio em 16 de novembro de 1968 foram dois acontecimentos urbanos que lembramos até hoje: livrar-se das velhas formas para dar lugar ao novo. Alguns daqueles que eram um pouco mais velhos na época podem muito bem ter visto com olhos diferentes; mas o clima da época era de progresso.

Decisões verdadeiramente corajosas, das quais todos nós ainda nos beneficiamos hoje, e que poderiam encorajar os atuais tomadores de decisão a derrubar mais participações de grandes cidades em Heilbronn depois de todas essas décadas. Há espaço suficiente para isso em Heilbronn.

Ainda gosto de pensar na abertura do Teatro Municipal de Heilbronn em 16 de novembro de 1982 e também para as primeiras comemorações de Ano Novo lá. Mais tarde, só pude assistir a algumas apresentações de teatro em Heilbronn, mas sempre dei ao teatro os uniformes de que não precisava mais e desde então espero redescobrir uma ou outra parte dele em uma peça.

Estou muito satisfeito que o teatro de Heilbronn tenha se desenvolvido tão bem, ao contrário de todas as profecias de destruição da época, e que nossa cidade não possa mais ser imaginada sem ele. Fico ainda mais feliz quando as apresentações no teatro Heilbronn primeiro abalam o público e depois até os leitores do jornal, porque "embalar" os cidadãos não é uma tarefa original do teatro.

Mesmo que à medida que envelheço eu chego à vista abaixo cada vez mais...

"Devo dizer que prefiro comédia. É um sinal de envelhecimento, dizem, mas não posso evitar. Já há tragédia suficiente no mundo. Eu não acho que temos que comprar nossas lágrimas."

Charles Boyer como Charles Laure Hugues Théobald em All This and Heaven Too (1940)

... Continuo convencido de que a tarefa do teatro é exatamente o oposto, ou seja, não apenas erguer um espelho para nós cidadãos, mas garantir que também lidemos com o incômodo. E isso quer queiramos ou não, porque adormecer as pessoas deve continuar a ser reservado para asilos e hospícios.

"Sabe o que mais me incomoda nesses sabonetes? São pessoas sem vida, assistindo as vidas falsas de outras pessoas."

Aaron Eckhart como Del Sizemore em Nurse Betty (2000)

Você pode apoiar este weblog no Patreon!

Postar um comentário

Seu endereço de email não será publicado.