Ouse mais Europa e faça a democracia!

Foto em destaque: Ministério das Finanças Baden-Württemberg (18 de janeiro de 2019)

Desde 23 de junho de 2016, o mais tardar, todos vocês certamente acompanham os eventos que cercam a saída do Reino Unido da União Europeia, anunciada para 29 de março de 2019. Entretanto, tudo parece ser possível até 31 de outubro de 2019, até para os britânicos permanecerem na União Europeia.

Não há melhor forma de governo para nós humanos do que nossas democracias; embora estes também tenham as suas deficiências, temos de conviver com a deficiência, por exemplo, de não existirem requisitos mínimos para os representantes do povo. A auto-avaliação e os aparelhos partidários não contribuem para a garantia de qualidade e nós, cidadãos, somos obviamente guiados por outras coisas nas eleições.

É incompreensível para mim como concidadãos se deixam eleger para os mais altos cargos e sabem desde o início que nunca, jamais poderão preenchê-los, nem vislumbrar o que realmente devem fazer nessa função. As consequências disso são, entre outras coisas, anos de negociações de saída mal sucedidas, décadas de impasse quando se trata de questões existenciais, "decisores" que até se gabam de estar fora dos problemas e, como resultado, cada vez mais frustração com a democracia. Essa frustração apresenta aos cidadãos autocratas e ditadores - pessoas que fingem ter soluções simples, ou pelo menos parecem saber o que estão fazendo.

O problema não está no desinteresse dos cidadãos pela política ou mesmo pela nossa Europa. O problema é claramente que dificilmente podemos, ou mesmo nada, tornar a política e a Europa palatáveis ​​para muitos dos nossos concidadãos!

A "grande política" não arranca ninguém há muito tempo, a sociedade civil em sua angústia está procurando seus próprios caminhos - e tão longe dos parlamentos - como "Sexta-feira para o futuro", "Gilet Jaune" ou " Pulse of Europe", não só para fazer ouvir a sua voz, mas também para apontar os desafios existentes com o objetivo de encontrar soluções para os mesmos.

Mas mesmo no nível local, soluções para problemas ou decisões difíceis de comunicar há muito deixaram de ser o foco da política; o que também significa que os nossos concidadãos locais já não se sentem "levados". Uma expressão disso é a baixa participação eleitoral. Isso, por sua vez, motiva os candidatos políticos a apenas fazer campanha e falar por aqueles lugares onde eles esperam sucesso rápido por conta própria – um círculo vicioso começa.

Nós, federalistas europeus, queremos quebrar este círculo vicioso. É por isso que continuamos a promover e a defender a nossa Europa. Nós próprios sabemos muito bem que só uma Europa unida nos levará a todos ao sucesso e, por isso, apelamos inabalavelmente a esta unidade, mesmo que tenhamos de contestar aquilo que muitos concidadãos prezam – como os nossos Estados-nação, o centralismo ou mesmo a tendência rumo ao totalitarismo.

Nós, federalistas europeus, promovemos incansavelmente a nossa Europa no terreno e, ao fazê-lo, esperamos cada vez mais poder falar não só às mentes, mas também aos corações dos nossos concidadãos. Só com ambos podemos persuadi-los não só a vir aos nossos próprios eventos com mais frequência, mas também a prestar mais atenção à política em geral.

Acho que essa também é a solução para a deficiência mencionada acima. Temos tantos concidadãos com capacidades e habilidades que até agora não foram usadas na política e, portanto, certamente com novas ideias e soluções. Vamos desenterrar esses tesouros para o benefício de nossas democracias!

"Make Europe" é o lema deste ano do nosso movimento. “Atreva-se a mais democracia”, um conhecido lema de 1969. Vamos juntos “ousar mais Europa e fazer democracia!” Motive o seu bairro a votar, incluindo os concidadãos que têm uma opinião ou nacionalidade diferente. Vote na Europa e fortaleça a nossa democracia!

Se ainda não o fez, pense em exercer seu direito de se candidatar. Mas, por favor, volte aos nossos eventos de informação e discussão, e também às mesas e festivais dos nossos frequentadores!

Convencido de que nós Estado da Europa Embora tenhamos a solução para alguns dos maiores desafios, também sabemos que são os pequenos desafios do dia a dia que precisam ser enfrentados e discutidos um após o outro e, no entanto, prontamente encontrados soluções viáveis. Isso torna a democracia tangível e tangível para todos! Isso fortalece a democracia, isso inspira as pessoas para essa forma de governo, e isso também desperta o desejo de participação. E quanto mais participantes, melhor - mas não mais fácil (!) - será para todos nós!

#democracia #federação


"É perigoso desafiar um sistema, a menos que você esteja completamente em paz com o pensamento de que não vai perdê-lo quando ele entrar em colapso."

Elliott Gould como Alfred Chamberlain em Little Murders (1971)
Você pode apoiar este weblog no Patreon!

Postar um comentário

Seu endereço de email não será publicado.