Abismo

democracia à beira

Postar foto: Abismo | © Shutterstock

Olhando para trás, tenho que admitir que a democracia nunca foi tão popular aqui na Alemanha como sempre nos dizem que é. Quando eu era jovem, já pude constatar que os partidos de nossos dois povos se definem dessa maneira simplesmente porque cada um sempre ofereceu um lar a pelo menos uma minoria antidemocrática muito forte. E ainda hoje muitos, sem remorso, se autodenominam socialistas, embora esteja claramente esclarecido que democracia e socialismo são puros opostos polares.

No partido dos outros, essas pessoas provavelmente se devem apenas à nossa história, são um pouco mais cautelosas e tendem a se descrever como "conservadores nacionais". , monarquistas, comunistas ou mesmo socialistas desde o início que buscavam um lar político para si mesmos ou que não tinham chance contra seus próprios povos de mentalidade semelhante nos partidos estabelecidos.

É verdade que os estados democráticos salvaram a nós alemães em 1945, embora muitos concidadãos ainda chamem esse evento de queda da Alemanha e nossa maior derrota sem nenhuma dor de consciência. No entanto, como a democracia não apenas nos tornou socialmente aceitáveis ​​novamente na comunidade internacional, mas também nos trouxe sucesso econômico e prosperidade sem precedentes para a maioria de nós, foi declarada uma razão de estado.

Mas a democracia tem sempre as suas desvantagens, nomeadamente a responsabilidade pessoal, a necessidade de participação, a transparência suficiente das próprias acções, a aceitação de outras opiniões e provavelmente o pior de tudo o dever de solidariedade com todos os "co-governantes".

Isso também era do conhecimento de todos e, portanto, desde o início de nossa república era importante que todos fossem (politicamente) educados e não apenas criamos instituições educacionais de todos os tipos e também subsidiávamos outros esforços e ofertas educacionais privadas, mas também valorizou-os à radiodifusão pública e deu à própria cultura uma prioridade muito alta. E só para garantir, até nossas igrejas foram trazidas a bordo novamente - contrariando o melhor conhecimento - embora ainda hoje cobram muito bem por sua suposta "lealdade"!

Para completar, as nossas democracias na Europa receberam até uma ideia própria com um objetivo muito específico, a saber, a unificação gradual da Europa democrática em direção a uma futura união democrática mundial: o humanismo e o Estado de direito tornaram-se princípios geralmente reconhecidos.

E todos os envolvidos sabiam desde o início que as alternativas a isso são menos róseas e que os países envolvidos também acusam o totalitarismo de estarem fartos deles. O totalitarismo resume aqueles modelos políticos que se opõem às alternativas democráticas, pelo que, em última análise, não faz diferença se um anti-democrata se autodenomina socialista, nazista, fascista ou oligarca - o resultado para nós cidadãos é sempre o mesmo! E mesmo que os cientistas políticos estejam discutindo cada vez mais sobre isso, as vítimas até agora realmente não se importam se foram assassinadas por socialistas ou fascistas.

No entanto, desde o início, e também na sede do partido alemão, trabalhou-se contra a nossa democracia. Jean Monnet Primeiro, tivemos que deixar o SPD entusiasmado com a Europa como o objetivo de todos os nossos esforços democráticos, embora as doações em dinheiro dos EUA certamente não prejudicassem políticos individuais de todos os partidos. Os partidos da União, por outro lado, criaram o mito do Estado-nação alemão com seu milagre econômico como o motor do nosso sucesso desde o início e, assim, minaram a Europa como um todo.

Ao longo das décadas, os dois partidos juntos transformaram o objetivo de todos os nossos esforços democráticos, ou seja, um estado federal europeu, em uma construção difusa de uma Europa sob a qual todos pudessem imaginar exatamente o que eles próprios consideravam chique e apropriado. A Europa se esfacelou sozinha porque teria manifestado a democracia em nossos países!

A democracia é mais árdua para aqueles que querem obter os maiores lucros com ela, porque tirar vantagem de grupos populacionais inteiros é extremamente difícil em uma democracia funcional, que visa equilibrar todos os grupos populacionais.

E, portanto, é compreensível que muitos de nossos concidadãos estejam usando todos os meios para se defender contra uma democracia bem-sucedida - que, aliás, também pode ser observada repetidas vezes na maioria das outras democracias e, portanto, não pode ser considerada como um único vendedor alemão ponto.

Enquanto a democracia ajuda a população como um todo a ser mais próspera, ela também torna muito difícil para grupos individuais se tornarem “super ricos”.

E, além disso, exige mais empenho de muitas pessoas do que elas gostariam de gastar consigo mesmas e, sobretudo, com os outros. Desde o início, há pessoas em todas as democracias que fazem de tudo para garantir que uma democracia não se torne um modelo de sucesso a longo prazo. Porque, como já mencionado, uma democracia em funcionamento impede as pessoas de sua "auto-realização" assim que isso ocorre às custas dos outros - isso afeta tanto os mendigos quanto os "super-ricos".

Para essas pessoas, uma vez que a democracia se estabeleça, é muito difícil se livrar de tal governo popular. É por isso que eles minam um desde o início, aqui a República de Weimar pode servir como um bom exemplo. E essas pessoas também fizeram todas as paradas em nossa República Federal - embora com menos sucesso do que da primeira vez.

E, portanto, é bastante compreensível que forças antidemocráticas se estabeleceram precisamente naquelas instituições que organizam e administram a democracia - nossos partidos. "A marcha pelos tribunais" não é um único argumento de venda da esquerda, mas um veículo para desestabilizar qualquer democracia a partir de dentro.

E, portanto, também é compreensível que, uma vez que essas forças tenham se estabelecido nos partidos, façam todo o possível para impedir organizações democráticas não partidárias ou livres eficazes.

Eles então enfeitam a coisa toda com uma frustração deliberadamente causada com a política, que mantém os eleitores cada vez mais longe das urnas - que os iniciadores ficam muito felizes em criticar.

E ainda por cima, eles garantem que a maioria de nossos semelhantes se ocupem com todos os tipos de coisas para que não possam mais lidar com a política. Eles jogam a população cada vez mais em crises, uma pior que a outra, e realmente fazem tudo ao seu alcance para garantir que nenhuma solução seja encontrada. Desta forma, eles lenta mas seguramente empurram todas as democracias contra a parede e convencem as pessoas de que seu próprio compromisso político não faz mais sentido e que não há alternativas (palavra-chave: nenhuma alternativa) às decisões políticas atuais!

Eles então contrariam esse desenvolvimento com modelos supostamente bem-sucedidos em outros países, onde se diz que homens ou mulheres fortes são capazes de controlar as crises simplesmente por meio de sua onipotência e, ao fazê-lo, promovem abertamente modelos políticos menos democráticos. E assim todo partido do povo alemão sempre tem seus "ditadores favoritos", como Orban ou Putin recentemente, que eles gostam de celebrar, exibir e apoiar. E é por isso que o culto à personalidade é tão importante nessas festas.

Talvez eu veja a coisa toda de maneira muito obscura, e nenhum de nossos políticos queira transformar a Alemanha em uma ditadura novamente, mas é suficiente que alguns de nossos políticos acreditem em uma oligarquia, pelo menos simpatizem com uma ou até pensem que como profissional políticos um para pertencer à sua própria classe.

Afinal, tudo depende do que a maioria da população acredita, e do jeito que está agora, muitos, muitos eleitores já perderam a fé em nossa democracia e em um futuro democrático para a Alemanha.

Mas o que pesa ainda mais é o facto de a maioria das pessoas na Europa já ter perdido a fé numa democracia comum, pelo que um futuro democrático dificilmente será possível para todos nós - um Estado-nação democrático era e continua a ser puramente imaginário , não importa o país.


Ela meio que o puxou, meio que ele afundou,
E não foi mais visto.

Johann Wolfgang von Goethe, O Pescador (1779)

Postar um comentário

Seu endereço de email não será publicado.